barracores

A boa prática ANDAR BEM da USF Monte da Lua

O ANDAR BEM da USF Monte da Lua, em Sintra, está a ser um êxito

Partilhar artigo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

“Maior tolerância ao esforço, menos queixas respiratórias, melhorias do humor” e até menos recurso a “consultas desnecessárias”, como atesta em entrevista ao JZ a médica Madalena Rapazote, impulsionadora da equipa de saúde (medicina, enfermagem, secretaria clínica) que desde há oito meses mobiliza os utentes para caminhadas semanais, em percursos tranquilos com a paisagem verde de Sintra como cenário.


Vale acompanhar esta prática ANDAR BEM todas as semanas em Sintra e seguir com atenção este balanço feito pela médica Madalena Rapazote.


Como tem sido a vossa experiência ANDAR BEM na USF Monte da Lua?

Madalena Rapazote (MR): Começámos a 9 de agosto, fizemos 31 caminhadas até à data, com 5 canceladas (1 vez durante uma onda de calor e 4 em dias de chuva). Temos mantido a caminhada semanal de 30min. Os grupos variam entre 5-15 pessoas, é bastante dinâmico. Existe um grupo permanente de cerca de 4-6 utentes, que vem a 90% das caminhadas.
Estamos a chegar a uma fase em que se impõe alguma dinamização das caminhadas, gostávamos de ter um grupo permanente maior. Dada a localização isolada da USF Monte da Lua e a limitação dos percursos, o saldo é positivo.

Podemos hoje, passados 8 meses desde o início, referir resultados clínicos positivos?

MR: Alguns resultados são mais fáceis e rápidos de ver: as pessoas com asma/doenças respiratórias foram as que mais facilmente nos reportaram melhorias, maior tolerância ao esforço e menos queixas respiratórias desde que começaram a vir mais regularmente – da nossa parte conseguimos notar a evolução no ritmo da passada (passam do grupo mais lento para o intermédio, ou do intermédio para o mais rápido), chegam ao fim com menos queixas do que nas primeiras vezes.
Há melhorias no humor de alguns doentes mais isolados ou com sintomas depressivos – em geral, o motivo mais apontado nos questionários para manterem a adesão ao Andar Bem é o convívio.
Nos “meus” doentes parece haver uma diminuição das vindas a consulta por motivos desnecessários, que posso eventualmente associar ao convívio das caminhadas (nos doentes mais isolados, ou com patologia mental não controlada, o Centro de Saúde, médico, enfermeiro, e todo o ambiente é um motivo para contacto e comunicação que não obtêm de outras referências, e alguns utentes consomem consultas para suprir esta necessidade).
Em termos de controlo de peso, tensão arterial e diabetes ainda não fizemos esse levantamento; talvez seja ainda precoce ter alguma conclusão porque só vimos alguns doentes 1 ou 2 vezes em consulta programada desde que iniciaram as caminhadas.

É um percurso com que características e dimensão? O percurso é sempre o mesmo? Há incitamentos a ajustes nesse percurso?

MR: O percurso de inverno é o original, cerca de 2,5km. No verão fazemos desvios por zonas de campo e arriscamos em ruas novas na parte final do percurso. Inicialmente as pessoas pediam mais variabilidade nos percursos, e acabámos por fazê-lo no verão, há sempre alguém que conhece um ou outro caminho, experimentamos um pouco, mas infelizmente a nossa zona tem várias limitações a nível de segurança e acabamos por restringir-nos ao percurso original.

É crescente o número de participantes? O que fica de reações?

MR: Houve um aumento inicial no inverno, talvez pela divulgação do projeto, pelo passa-palavra, pelo horário (16:30, versus 18:00 no verão). Há um grupo consistente que tem vindo a crescer devagar, e alguns que vêm só de passagem. Houve quem deixasse de vir no inverno (mais velhotes e mais jovens, pelo tempo e horários), é dinâmico. Nestes dias temos ficado com 5-8 pessoas. Dos que nos dão feedback nesse aspeto, gostavam que o grupo fosse maior mas não é fácil convencer pessoas sedentárias a começar atividade física, os utentes que vêm mais vezes reportam o mesmo com os amigos/vizinhos, …

Como é a adesão do conjunto da USF? Sentem que a experiência é positiva? Que benefícios realçam?

MR: Estamos neste momento a fazer um ponto de situação. É muito desafiante garantir que toda a equipa se empenhe na mesma medida, mas temos garantido todas as caminhadas. Os elementos da equipa que aceitam as manobras que temos de fazer para manter o ANDAR BEM de pé (deixar de marcar 2 ou 3 consultas para ir à caminhada, ficar mais tempo extra-horário, combinar com um colega para ficar a cobrir aquele período de ausência…) acabam por ver esses 30min como uma oportunidade para desligar. Não é fácil porque temos sempre sempre trabalho para fazer, mas obriga-nos a parar um pouco e a voltar com mais foco.

A presença do médico ou de outro profissional da Saúde é determinante para a mobilização das pessoas?

MR: Quem vem, vem independentemente dos líderes, mas saber que vem o seu médico ou enfermeiro de família é uma motivação. Muitos vêm na expectativa de ver o seu médico naquele contexto diferente. Não é uma condição para as pessoas virem, talvez seja mais para aderirem numa fase inicial. Depois, ficam pelo convívio. Embora não o tenham dito, julgo que as pessoas se sentem mais seguras ao serem acompanhados por profissionais de saúde.

Está encontrado um modo eficaz de mobilização das pessoas para o ANDAR BEM? É mais através do passa-palavra, por cartazes ou através de sugestão nas consultas? É sugerida alguma alternativa de divulgação?

MR: Inicialmente a maioria das pessoas soube pela divulgação na consulta e pelos cartazes espalhados pela USF. A partir de uma certa altura passou a ser mais comum o passa-palavra: vizinhos ou amigos que não pertencem à USF, e pessoas que já tinham visto os cartazes, mas que só se decidem a vir caminhar porque um amigo que já caminha o desafiou.
Neste momento temos cartazes nos pontos de passagem mais comuns (Junta de Freguesia, cafés), divulgámos no Jornal de Sintra e na Rádio de Sintra. Sugeriram-nos alargarmos a divulgação a mais locais, e também o Facebook: uma das senhoras partilha algumas fotografias nos grupos locais.
Idealmente gostávamos de ter mais tempo e um núcleo maior para dedicar ao ANDAR BEM e delinear uma campanha mais intensa e abrangente.

Que propostas deixam a partir da vossa experiência ANDAR BEM? Parece-vos que outras USF sentirão facilidade em dar início a programas ANDAR BEM a partir deste formato de formação e apoio da ZEBRA?

MR: O mais desafiante parece-me ser a manutenção do projeto semana a semana, e não tanto o início/divulgação.
São facilitadores da implementação do ANDAR BEM:

  • ter recursos humanos suficientes,
  • uma equipa envolvida e motivada para fazer disto um projeto de grupo,
  • ter acesso fácil a percursos variados, campo aberto ou ruas/passeios mais tranquilos (a nossa maior dificuldade no Monte da Lua),
  • e, idealmente, ter à partida o apoio da ZEBRA na pesquisa de alguns percursos alternativos.

Tópicos

© Coletivo Zebra All rights reserved