barracores

Criada a coordenação nacional do Caminho de Santiago

Vai haver certificação e entidade de gestão para os itinerários portugueses do Caminho de Santiago.

Partilhar artigo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Já está em vigor o decreto lei nº 51/2019 que regula a valorização e promoção do Caminho de Santiago, através da certificação dos seus itinerários e da criação de um órgão de coordenação nacional.
Conforme o texto já publicado no Diário da República, Segundo o comunicado do Conselho Ministros, “pretende-se, com o presente diploma, criar uma disciplina legal que defina os critérios comuns aplicáveis ao reconhecimento, salvaguarda, valorização e promoção do Caminho de Santiago, através de um procedimento de certificação, sob a égide de uma estrutura de coordenação de âmbito nacional”, a Comissão Executiva do Caminho de Santiago.

Para além de ter atribuída a responsabilidade da coordenação da actuação das diferentes entidades envolvidas, esta comissão executiva terá como função a representação, a nível interno e externo, do Caminho de Santiago. Para a assessorar é criado também um Conselho Científico, ao qual caberá a promoção da “investigação científica, imprescindível à boa gestão do Caminho de Santiago”.
O decreto-lei, publicado em 17 de abril, considera «itinerário do Caminho de Santiago», para efeitos de certificação, um itinerário de peregrinação utilizado, no território português, pelos peregrinos em direção a Santiago de Compostela, que seja de uso consistente, comprovado por fontes históricas, vestígios materiais ou tradição documentalmente registada, bem como o património cultural e natural que lhe seja associado, que observe os critérios de certificação previstos no anexo i do presente decreto-lei e do qual faz parte integrante.
É prevista a “possibilidade de uso de traçados alternativos no itinerário de peregrinação, quando for esse o caso, por razões devidamente justificadas de segurança, atratividade da paisagem, proximidade a pontos de interesse, equipamentos de apoio ou outros”.


Estas decisões são tomadas a dois anos do próximo Jacobeu (2021, ano em que o feriado de 25 de Julho calha a um domingo), e numa altura em que a aposta portuguesa nos caminhos se vem revelando um sucesso, o que colocou o itinerário português, com as suas variantes, no segundo mais procurado dos sete principais caminhos para a catedral do apóstolo.
O Caminho da Costa, subindo a faixa costeira por Vila do Conde, Esposende, Viana do Castelo e Caminha, com a rota totalmente reabilitada, com nova sinalética ao longo do percurso, desde o Porto até Valença, está a ter enorme procura. Trata-se de um trabalho entre dez municípios do Norte Litoral (Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença), que se juntaram para promover a valorização deste percurso.

Para os caminhantes que partem do Porto, o percurso começa na Ribeira, segue em direção à Sé Catedral, atravessa a cidade por Cedofeita e a partir de Montes Burgos segue para Matosinhos. Tudo isto será feito com sinalética que já está devidamente colocada para indicar o caminho, os albergues e os diferentes acessos, e sempre com a mesma imagem gráfica. Dispõe de um útil website


O Caminho Português Central é o mais conhecido e aquele que é tido como o mais antigo em território nacional. Os registos históricos remontam-no, pelo menos, ao século XII, altura em que a maioria dos peregrinos fazia o percurso por Braga. Era sede da diocese e a alternativa mais viável.
Na abertura do decreto agora publicado é fundamentado que “o caminho de peregrinação a Santiago de Compostela (Caminho de Santiago) representa uma expressão histórica da cultura europeia e constitui um verdadeiro pilar da nossa identidade coletiva. A dimensão humana da sociedade que emerge destas peregrinações ao sepulcro, na sua vertente religiosa e espiritual, reveste um enorme significado para a história e o encontro de culturas decorrente da circulação de pessoas das mais diversas origens e classes sociais, unidas pelas peregrinações, tendo dado origem a novas vilas, vias de comunicação, realidades sociais, económicas e culturais”.

O CAMINHO PORTUGUÊS DA COSTA

Do Porto a Santiago, percorrendo o Caminho Português da Costa são aproximadamente 258 quilómetros, com horizontes e histórias diferentes. Este percurso do Caminho da Costa passa junto à igreja paroquial de Castelo do Neiva (concelho de Viana do Castelo), o mais antigo templo dedicado a Santiago fora do território espanhol. De acordo com os registos históricos, terá sido consagrada no século IX, pouco depois da descoberta do túmulo do apóstolo em Compostela e três séculos antes da criação do Reino de Portugal.

Ficha Técnica
Caminho Português da Costa :

Início: Cais da Ribeira (Porto)
Fim: Ponte metálica sobre o rio Minho (Valença)
Distância (em território português): 149,5km
Distância total (até Santiago de Compostela): 258km
Duração: sete dias até Valença e 12 até Compostela (média de 20km/dia)
Concelhos percorridos: Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença
Credencial: pode ser adquirida na Catedral do Porto e é necessária não só para aceder aos albergues oficiais como para obter a Compostela no final do percurso para isso, há que a ir carimbando ao longo do caminho (nos albergues, postos de turismo, estabelecimentos públicos e comerciais ou igrejas), pelo menos três vezes por etapa, a fim de confirmar a realização do caminho. Para obter o certificado basta percorrer os últimos 100 quilómetros até Santiago de Compostela

FONTE ÂNCORA: Diário da República

Tópicos

© Coletivo Zebra All rights reserved