Relacionados

Podemos ter mais cidade

“A pandemia, genericamente, corrigiu velhas distorções nas cidades, sobretudo o facto negativo de haver ruas demais para a circulação de veículos motorizados. Vimos as cidades

Ver »

A cidade que muda com a Covid

“Nós, mulheres, deixamos de ir a alguns sítios para evitar que certas coisas (riscos) aconteçam. Autocensuramo-nos, limitamos os nossos movimentos na cidade, limitamos a nossa

Ver »

A importância de conquistar as ruas à volta dos parques

Audio: Sónia Lavadinho em entrevista ao JZ

Sónia Lavadinho participou, por encomenda da Mairie de Paris, no masterplan para a pedonalização da capital francesa. Desenhou também o plano “Ciudad amigable” para ampliar a caminhabilidade de Buenos Aires e estratégias de transformação urbana pela mobilidade a pé para diversas cidades europeias. Sónia, geógrafa com formação também em sociologia e antropologia urbana,fundou em 2012 o BFLUID, gabinete de prospetiva em mobilidade e desenvolvimento do território.

Em entrevista ao JZ, esta portuguesa radicada em Genebra, fala-nos do conceito que chama de “segunda pele”: tornar as ruas em volta dos parques urbanos mais amáveis, mais verdes, melhor iluminadas, para que quem anda a pé não sinta o choque entre a amenidade do parque e a turbulência da rua logo ao lado. Na prática, a ambição é a de “plantar nessas ruas” uma nova sociabilidade. Sónia Lavadinho incita a essa intervenção: o efeito multiplicador é notável.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Mais Artigos