barracores

O apelo de investigadores: caminhar apesar do confinamento.

Partilhar artigo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Conseguir aumentar de 4.000 para 8.000 o número de passos acumulados em cada dia é um provável contributo para redução do risco de morte prematura, é o que aponta um estudo, feito por uma equipa de investigadores que inclui o português Pedro Saint-Maurice, dos National Institutes of Health e Centers for Disease Control and Prevention, com observação de 4840 participantes. É um estudo publicado no JAMA.

Coincidentemente, um documento dos investigadores Sarah Koch, Jill Litt, Carolyn Daher, and Mark Nieuwenhuijsen, do Instituto de Salud Global [ISG], de Barcelona, adverte para graves problemas na saúde global, decorrentes do confinamento pelo covid-19. Este Instituto de Salud Global resulta de uma aliança entre “La Caixa”, universidades e centros clínicos, e o documento agora publicado surge como apelo para que, apesar do confinamento, sejam “adotadas medidas que facilitem a prática de atividade física”, designadamente “por pessoas menos favorecidas que vivem em apartamentos pequenos sem acesso a jardins ou terraços de açoteia”. Esta intervenção do ISG tem em conta as mais drásticas limitações de movimentos impostas pelo confinamento em Espanha. O documento refere que ao fim da primeira semana de confinamento em Espanha, os níveis de atividade física tinham sofrido redução de 38%. Acrescenta, comparativamente, que “em 18 de abril os espanhóis caminhavam 90% menos do que o verificado na avaliação feita no passado 13 de janeiro.”

Este documento do ISG faz recomendações para o desconfinamento, designadamente que sejam ativadas campanhas de incitamento a deslocações a pé ou de bicicleta em vez do recurso aos transportes públicos ou ao automóvel. É também defendido que vários parques de estacionamento e passeios marítimos sejam libertados de automóveis e, complementarmente, instalados pontos frequentes de higiene e de desinfeção das mãos.

O estudo referido na abertura desta notícia e publicado no JAMA inclui uma alternativa que, parcialmente, responde à preocupação manifestada pelo ISG: em última instância, caminhar  dentro de casa. Este estudo da equipa de investigadores que inclui Pedro Saint-Maurice anota que quem acumula 8.000 passos em cada dia reduz para metade o risco de doença cardiovascular, cancro e outros problemas, em relação a quem caminha apenas 4.000 passos por cada dia. Esta investigação publicada no JAMA reduz a importância da intensidade no ritmo da caminhada. O que traz benefício é desenvolver atividade física. Andar a pé é a mais acessível.

As cidades já estão a mudar

Antes da pandemia já quase todas as grandes e médias cidades pelo mundo estavam a criar vias pedonais e pistas cicláveis. Agora, a nova realidade introduzida pela Covid-19 apressa o passo da mobilidade ativa.

Ler mais »

Tópicos

© Coletivo Zebra All rights reserved