Relacionados

Podemos ter mais cidade

“A pandemia, genericamente, corrigiu velhas distorções nas cidades, sobretudo o facto negativo de haver ruas demais para a circulação de veículos motorizados. Vimos as cidades

Ver »

A cidade que muda com a Covid

“Nós, mulheres, deixamos de ir a alguns sítios para evitar que certas coisas (riscos) aconteçam. Autocensuramo-nos, limitamos os nossos movimentos na cidade, limitamos a nossa

Ver »

Redesenhar a cidade: andar a pé pelo prazer de andar

Leslie Kern é professora na Mount Allison University, no Canadá, onde dirige o centro de estudos sobre género e ser mulher. Defende a ideia de cidade não-sexista, isto é, a cidade onde o planeamento é feito a considerar as mulheres, tendo em conta desafios críticos como a pobreza ou a falta de segurança.Defende o redesenho das cidades de modo a introduzir igualdade de acessos.
Numa talk, no passado 12 de julho, em volta do lançamento do livro Feminist City, respondeu à pergunta de Sandra Moutinho, do Coletivo ZEBRA, sobre “andar a pé na cidade pelo prazer de andar a pé”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Mais Artigos